Vol. 3 – Especial 10 Anos

October 2, 2014 in .5: The Gray Chapter, Banda, Corey Taylor, James Root, Joey Jordison, Mick Thomson, Novo Álbum 2014, Paul Gray, Shawn Crahan, Sid Wilson, Slipknot 2014

Slipknot-Vol.-3-The-Subliminal-Verses-2004

O Slipknot é capa da última edição da Revolver, que está nas bancas e disponível online. Enquanto a banda se prepara para lançar o seu novo álbum altamente antecipado, .5: The Gray Chapter , a Revolver volta no tempo da fabricação de cada um dos álbuns anteriores dos maníacos mascarados.

Aqui, os membros da banda que gravaram em 2004 o Vol. 3: (The Subliminal Verses) – incluindo o falecido baixista Paul Gray e o ex-baterista Joey Jordison – voltam no tempo para analisar o então clássico álbum, que inclui canções como “Duality”, “Before I Forget” e “Vermilion”. A matéria foi lançada originalmente em 2011 no “Book of Slipknot’ special issue”.

Para ajudá-los a expandirem além do ódio, nojo e sobrecarga do metal, eles recrutaram Ross Robinson como produtor, Rick Rubin como guru de estúdio, que já havia trabalhado com todo mundo desde o Slayer até Johnny Cash; para gravar um novo álbum que é, inegavelmente, vicioso e assustador, mas também conta com ganchos de ritmo suficientes e harmonias vocais de trazer a banda de volta para mais perto do mainstream. Os resultados ainda são pouco convencionais ou confortáveis, no entanto. Mesmo as baladas de rádio como “Vermilion Pt. 2” e “Duality” estão cheias de toques experimentais e inegável escuridão.

Read the rest of this entry →

IOWA: 13 anos assombrando o mundo

August 29, 2014 in Banda, Chris Fehn, Corey Taylor, Iowa, James Root, Joey Jordison, Mick Thomson, Paul Gray, Shawn Crahan, Sid Wilson, Vol. 3

Slipknot Iowa album cover artwork Terrorizer

Com o Slipknot se preparando para lançar o seu novo álbum altamente antecipado, 5: The Gray Chapter , a Revolver volta no tempo das fabricações de cada um dos álbuns anteriores dos maníacos mascarados. Aqui, os membros da banda que tocaram no IOWA de 2001 – inclusive o falecido baixista Paul Gray e o ex-baterista Joey Jordison – damos uma olhada no passado do então atual clássico, que inclui canções como People = Shit, Disasterpiece, e Left Behind. A matéria foi publicada originalmente em nossa edição especial “Book of Slipknot” de 2011.

Depois de uma turnê de dois divulgando seu álbum de estreia na Roadrunner, o Slipknot volta ao estúdio com o produtor Ross Robinson para gravar seu álbum seguinte, ansiosamente aguardado. De imediato, ânimos exaltados. Felizmente, os membros da banda foram capazes de canalizar a sua animosidade em sua música, criando um álbum mais extremo ainda. Canções como “Disasterpiece”, “People = Shit” e “The Heretic Anthem” clamam muito mais por um death metal do que a moda de angústia do nu-metal. A última faixa, “Iowa”, enquanto isso, ataca de outra forma: um número psicodélico, escuro, cheio de diálogos dignos de um assassino em série, zumbidos, suspiros enervantes, gritos, e as coisas que vão colidir na noite, ela coloca o medidor do assustador no vermelho .

MONTE CONNER (então chefe DO setor de artistas e repertório da Roadrunner) – Todo mundo achava que eles iam fazer um álbum covarde e tornar-se mainstream. Eles fizeram um disco que foi substancialmente mais pesado. Quando eu ouvi pela primeira vez, eu adorei, mas como um cara de etiqueta eu pensei: “O que vamos fazer com isso?”

Read the rest of this entry →

‘Vol. 3: (The Subliminal Verses)’ é o 2º melhor álbum de metal de 2004 segundo a Loudwire

June 10, 2014 in Banda, Iowa, Slipknot, Slipknot 2014, Vol. 3

Slipknot-Vol.-3-The-Subliminal-Verses-2004

Em meados da década de 2000, o heavy metal comçou a alcançar diferentes escalas com o nu-metal começando a desaparecer e uma nova safra de bandas estavam prontas para o palco global. Em 2004, vimos uma enorme explosão que mais uma vez balançou a comunidade metal quando o metalcore tornou-se a arma de escolha para muitos fãs de metal extremo. Novas bandas surgiram e, ao mesmo tempo, o underground ainda estava produzindo todos os tipos de estilos diferentes, enquanto algumas lendas ressurgiram com seu melhor álbum em muito tempo. 2004 foi um bom ano para qualquer metalhead. Em um dos anos mais explosivos da década, a Loudwire listou os 10 melhores álbuns de metal e o Slipknot abocanhou a honrosa segunda posição com o Vol. 3: (The Subliminal Verses).

“Em 2004, o Slipknot conquistou o seu momento com o álbum Vol. 3: (The Subliminal Verses), depois do seu álbum de enorme sucesso ‘Iowa’. Com seis singles, o álbum viu a banda expandir seu som, incorporando mais vocais melódicos e limpos de Corey Taylor para combater a agressão pura. Apenas um par de hits aqui incluem “Before I Forget”, “Vermillion” e “Duality”. As letras mergulhoram mais fundo na mente perturbada de Corey, usando o Slipknot como um veículo para colocar tudo para fora.”

 

Fonte: Loudwire

Loudwire elege as 10 melhores músicas do Slipknot

December 19, 2012 in Banda

O site da Loudwire escolheu as melhores músicas do Slipknot, banda que está concorrendo em diversas categorias no Loudwire Music Awards (clique aqui para votar), e fez um Top 10. Confira a lista:

10º- ‘Vermilion Pt. 2’ 

Álbum: ‘Vol. 3 (The Subliminal Verses)’ – 2004

Slipknot é conhecido por um metal mais pesado que granito. Mas uma música frágil como ‘Vermilion Pt. 2’ demonstra uma arte e não ao contrario, diz, Radiohead. O domínio da banda com a dinâmica é evidente na original e na sequência. Às vezes, você precisa mostrar seu lado mais leve para, depois, demonstrar o quão agressivo você é. ‘Part. 2’ é, também, um testamento ao sólido compositor e falecido baixista Paul Gray.

 

9º- ‘Spit It Out’

Álbum: ‘Slipknot’ -1999

Se você já viu Slipknot ao vivo, você sabe que essa é a música onde Corey Taylor ordena à todo o público para sentar no chão e pular, sob seu comando. Isso é poder. Isso são duas décadas de conexão com os Maggots, que foram marcadas com sangue, adrenalina, testosterona e qualquer outro fluído corporal, substância ou hormônio que sua mente doentia possa imaginar.

 

8º- ‘The Heretic Anthem’

Álbum: ‘Iowa’ – 2001

Somente as garras e patas ferozes do Slipknot poderiam fazer uma letra como “If you’re 555, I’m 666” soar mais nojenta que o vômito verde de Regan em ‘O Exorcista’. É verdade que ‘Iowa’ é o matadouro dos álbuns do Slipknot: cada música escorre sangue, vísceras, veneno, bile e vômito. É uma ótima coisa quando você está falando em metal, e ‘Heretic Anthem’ captura todos esses elementos de uma só vez.

 

7º ‘(sic)’

Álbum: ‘Slipknot’ – 1999

Vá assistir ‘Alien’. Você sabe aquela cena quando o alienígena explode do peito do Kane? O horror gráfico e a energia visceral daquela cena é engarrafada e capturada por ‘Sic’, graças à percussão esmagadora, riffs metralhadores e o grito de guerra de Taylor. Essa é uma música a partir e para as linhas de frente de uma zona de guerra. “Here comes the pain! (Aí vem a dor!)”.

 

 

6º- ‘Left Behind’

Álbum: ‘Iowa’ – 2001

‘Left Behind’ é o primeiro single do álbum ‘Iowa’ e uma das músicas de destaque do Slipknot, como mostra a atenção da banda e o dom para a melodia, sem perder sua substancial, ponta de metal. É um daqueles lindos momentos onde você pode tocar seus dedos para a música, enquanto quer começar a induzir um massacrante mosh. Não é algo fácil de se fazer, mas para o Slipknot, parece muito simples.

 

5º- ‘Psychosocial’

Álbum: ‘All Hope Is Gone’ – 2008

‘Psychosocial’ é uma faixa robusta e agitada, com um refrão contagiante. Não é como, normalmente, nós descreveríamos uma exaustante música de heavy metal, mas, estamos falando de Slipknot. Da mesma forma, riffs e percussão, alimentam ‘Psychosocial’ com o pulsar das larvas.

 

4º- ‘People = Shit’

Álbum: ‘Iowa’ – 2001

O Slipknot não estava mascarando suas intenções com ‘People = Shit’. Somente nove bandidos de Iowa poderiam capturar tão efetivamente as escórias da humanidade com uma música. É uma das melhores músicas do Slipknot graças à forma como ajuda a alcançar catarses e uma compreensão profunda de que seu companheiro pode cair.

 

3º- ‘Wait and Bleed’

Álbum: ‘Slipknot’ – 1999

‘Wait and Bleed’ é uma música de destaque, não só por sua construção acotovelada, mas pelo fato que permite ao vocalista Corey Taylor tomar o centro do palco. Seus gritos guturais podem fazer os cabelos na sua nuca ficarem em pé. E quanto ao seu cantarolar melódico? Isso é o que o distingue. A banda nunca, jamais soa calma. Os elementos melódicos são fornecidos apenas como um contraste para realçar as partes extremas.

 

2º- ‘Duality’

Álbum: Vol. 3 (The Subliminal Verses) – 2004

A natureza extremamente brutal do Slipknot nunca é questionável, mas, com ‘Duality’, o primeiro single do terceiro álbum da banda, os carrascos mascarados foram capazes de aperfeiçoar sua fórmula de um turbilhão com melodia. Pressionar seus dedos dentro dos seus olhos nunca soou como um comportamento tão atraente.

 

1º- ‘Surfacing’

Álbum: ‘Slipknot’ – 1999

‘Surfacing’ é o seu novo hino nacional. Com o grito de abertura frenético, a caótica percussão e a ferocidade de Corey Taylor, essa é, definitivamente, a música do Slipknot porque nos dá um olhar compreensivo sobre tudo o que o Slipknot é: feroz, incontrolável, artisticamente elevado. Nunca houve nada como o Slipknot antes e, mesmo que hajam imitações, nunca haverá realmente nada que concorra ou se iguale à eles.

 

E você? Qual é a sua música preferida do Slipknot?

Qual música você acha que está faltando nessa lista? Qual música deveria estar no topo da lista? Deixe seu ‘top 10’ nos comentários abaixo.

 

Fonte: Loudwire