IOWA 13 anos: a perspectiva da época

September 3, 2014 in Banda, Corey Taylor, Iowa, Joey Jordison, Shawn Crahan

Slipknot3

No dia 2 de setembro de 2001 o Slipknot chegava ao Top 1 de vendas no Reino Unido. Com isso, a Metal Hammer resolveu relembrar a Era do IOWA republicando uma entrevista com Corey Taylor no ano de 2001 antes do lançamento do segundo álbum de estúdio da banda. Confiram quais as perspectivas do vocalista com o brutal álbum naquele ano:

Não é um exagero dizer que IOWA foi o álbum de metal mais aguardado de 2001. Era possível o Slipknot seguir o sucesso devastador do debut de 1999? Qual foi o pensamento por trás do novo álbum? Corey Taylor tem as respostas.

Você pode nos dar uma visão sobre os pensamentos e as emoções por trás do IOWA?

As músicas são muito mais pesadas, muito mais sombrias, muito mais rápidas e as letras são muito mais profundas. Tivemos a ideia de nomeá-lo IOWA mesmo antes de começarmos a trabalhar nas músicas. Mas à medida que avançávamos, nós começamos a ver todas essas coisas que estavam saindo – um monte de problemas pessoais, pra ser exato – basicamente reflexões de onde viemos. Então, fazia sentido que o nome do álbum fosse esse.

Também é importante dar às pessoas uma perspectiva diferente de um estado que é visto apenas como um lugar com muitas vacas e fazendeiros. Bem, nós estamos aqui para dizer que não é tudo sobre isso!

Read the rest of this entry →

IOWA: 13 anos assombrando o mundo

August 29, 2014 in Banda, Chris Fehn, Corey Taylor, Iowa, James Root, Joey Jordison, Mick Thomson, Paul Gray, Shawn Crahan, Sid Wilson, Vol. 3

Slipknot Iowa album cover artwork Terrorizer

Com o Slipknot se preparando para lançar o seu novo álbum altamente antecipado, 5: The Gray Chapter , a Revolver volta no tempo das fabricações de cada um dos álbuns anteriores dos maníacos mascarados. Aqui, os membros da banda que tocaram no IOWA de 2001 – inclusive o falecido baixista Paul Gray e o ex-baterista Joey Jordison – damos uma olhada no passado do então atual clássico, que inclui canções como People = Shit, Disasterpiece, e Left Behind. A matéria foi publicada originalmente em nossa edição especial “Book of Slipknot” de 2011.

Depois de uma turnê de dois divulgando seu álbum de estreia na Roadrunner, o Slipknot volta ao estúdio com o produtor Ross Robinson para gravar seu álbum seguinte, ansiosamente aguardado. De imediato, ânimos exaltados. Felizmente, os membros da banda foram capazes de canalizar a sua animosidade em sua música, criando um álbum mais extremo ainda. Canções como “Disasterpiece”, “People = Shit” e “The Heretic Anthem” clamam muito mais por um death metal do que a moda de angústia do nu-metal. A última faixa, “Iowa”, enquanto isso, ataca de outra forma: um número psicodélico, escuro, cheio de diálogos dignos de um assassino em série, zumbidos, suspiros enervantes, gritos, e as coisas que vão colidir na noite, ela coloca o medidor do assustador no vermelho .

MONTE CONNER (então chefe DO setor de artistas e repertório da Roadrunner) – Todo mundo achava que eles iam fazer um álbum covarde e tornar-se mainstream. Eles fizeram um disco que foi substancialmente mais pesado. Quando eu ouvi pela primeira vez, eu adorei, mas como um cara de etiqueta eu pensei: “O que vamos fazer com isso?”

Read the rest of this entry →

Corey Taylor sobre a nova fase do Slipknot: “Nós meio que nos tornamos esses anti-Twitter, anti-Facebook, anti-Instagram e anti-tudo.”

June 4, 2014 in All Hope is Gone, Banda, Corey Taylor, Iowa, James Root, Joey Jordison, Knotfest, Self Titled, Slipknot 2014, Stone Sour, Vol. 3

stone_sour_corey_taylor_524

 

No final do mês de maio, a Ultimate Guitar entrevistou o vocalista do Slipknot e Stone Sour, Corey Taylor, onde ele falou sobre Dio; as gravações dos álbuns das duas bandas; sobre o novo álbum dos mascarados; Knotfest; e outras coisas. Confiram a entrevista na íntegra.

A primeira coisa que Corey Taylor diz que quando a conversa começa é: “Ei, eu estou bem. Está tudo bem. Eu adoro a ironia de dar uma entrevista ao Ultimate-Guitar, hahaha”. Minha resposta é que a UG cobre cantores, tecladistas e bateristas. Corey responde, dizendo: “Eu sou um pouco de todos, hahaha. Estou abraçando tudo isso.” É uma declaração reveladora do cantor do Stone Sour e Slipknot, porque Corey não é apenas o vocalista dessas duas bandas, mas um promotor de concertos – o Knotfest é sua criação – e romancista. Mas ele é, obviamente, mais conhecido como cantor e a conversa começa falando sobre outro vocalista lendário que desempenhou um papel importante na vida de Corey como um artista.

UG: Quais são as suas lembranças sobre o primeiro encontro com Ronnie James Dio?

CT: Nós nos encontramos algumas vezes, de passagem, mas não era nada de importante. O tempo real que eu o conheci e realmente comecei a sair com ele foi um pouco antes dele morrer. Nós dois estávamos na premiação da Revolver Golden God em Los Angeles. E nós dois disputávamos para Melhor Vocalista. Provavelmente foi a única vez que eu estava torcendo para alguém ganhar, porque eu tinha acabado de me tornar um grande fã de Ronnie para sempre. Então, eu estava tipo, “Oh cara, ele vai me detonar. O quê? Você está louco?”

 

Read the rest of this entry →

Corey Taylor e as mudanças de formação no Slipknot: “Nem toda grande banda consegue continuar com as mesmas pessoas”

May 29, 2014 in All Hope is Gone, Banda, Corey Taylor, Iowa, James Root, Joey Jordison, Paul Gray, Shawn Crahan, Slipknot 2014, Vol. 3

coreytaylorsolo2013new2_638

O Slipknot está atualmente trabalhando em seu primeiro álbum desde o All Hope Is Gone, de 2008, e o primeiro também desde a morte do baixista Paul Gray e da saída do baterista Joey Jordison, um dos membros fundadores e principais compositores.

Perguntando pelo Ultimate-Guitar.com se ele se sente diferente sem Paul lá, o vocalista da banda disse: “Digo, sempre vai ser diferente e nada nunca mais será o mesmo. É o melhor jeito de dizer isso, para ser honesto. Mas tudo que podemos fazer é o que a gente já faz. A maneira que vejo isso é que nem todo grande time de futebol permanece junto e nem toda grande banda pode continuar com as mesmas pessoas. É uma forma bonita de eu dizer que não posso simplesmente olhar para ele estando morto, o que parte meu coração. Eu tenho que olhar como: ‘Uma de nossas mais importantes peças se foi – como vamos lidar com isso? ’ Então, basicamente estamos unindo nossos talentos para preencher esse vazio que ficou.”

Sem surpresa, Taylor estava menos animado para falar sobre a saída de Joey Jordison, que publicou um pronunciamento oficial em sua página do Facebook, no mês de janeiro, dizendo que não deixou a banda.

“Sobre isso, é algo um pouco mais difícil de comentar”, disse Corey. “Honestamente, eu não posso legalmente falar sobre isso. É tudo que posso dizer sobre a situação.”

Sobre o fato de que o guitarrista Jim Root ficou responsável de ter que assumir grande parte das composições para o próximo álbum da banda, Taylor disse: “Deixe-me dizer algo sobre Jim Root – ele é um dos melhores compositores com quem já tive o privilégio de trabalhar. As coisas que ele nos apresenta? Ele é insano!”

Corey recentemente descreveu a direção musical do novo material do Slipknot como “uma grande mistura entre o IOWA e o Vol. 3.” Ele explicou: “A gente tem as melodias gostosas e a direção artística do Vol. 3 e a absoluta brutalidade do IOWA. E eu acho que as pessoas vão enlouquecer quando ouvirem.”

Taylor disse em uma entrevista para o Front Row Live Entertainment no dia 12 de maio que o primeiro álbum do Slipknot em seis anos está “vindo”, acrescentando: “Pra ser exato, deixei o estúdio para vir até aqui. Então, é uma questão de tempo, acredite em mim. Será ótimo. Tudo está sendo exatamente como precisa ser. Vai ser realmente incrível.”.

Mesmo com o último álbum do Slipknot, All Hope Is Gone, tendo saído em 2008, Taylor disse: “O bom é que estamos sempre escrevendo, por isso há uma tonelada de coisas que estavam preparadas. É exatamente o que você quer que ele seja. ”

O percussionista da banda Shawn “Clown” Crahan contou ao The Pulse Of Radio um tempo atrás que tem grandes expectativas para o próximo álbum da banda. “Esse álbum será, prevejo, uma das coisas mais sérias que jamais compreendemos que já fizemos em nossa vida”, disse ele. “E nós praticamente dizemos isso em todas as gravações, mas eu realmente sinto que quando chegar a hora, o que estará à mão será algo quase inimaginável.”

Existem rumores do Slipknot ter recrutado o baterista Jay Weinberg para tocar no novo álbum. Weinberg é filho de Max Weinberg, baterista de longa data de Bruce Springsteen And The E Street Band.

Fonte: Blabbermouth

 

VOTE: March Metal Madness 2104 – Loudwire

April 1, 2014 in Banda, Iowa, Premiações, Slipknot 2014

Slipknot-vs-Tool

Está aberta a votação para a final da March Metal Madness de 2014, uma competição da Loudwire que vai eleger o melhor álbum de metal do século 21 e o Slipknot está na briga com o álbum “Iowa”, de 2001.

Após vencer Iron Maiden, Hatebreed, Lamb Of God e Amon Amarth, a briga agora é contra “Lateralus”, do Tool. A votação termina dia 6 de abril e os votos são computados uma vez por hora, para votar basta clicar na imagem.

Loudwire elege as ’50 Músicas de Metal do Século 21′

December 22, 2012 in Banda, Iowa

Após ter elegido as 10 melhores músicas do Slipknot, o site da Loudwire fez uma seleção com as ’50 Músicas de Metal do Século 21′. Dentre muitas bandas renomadas no mundo do metal, o Slipknot alcançou a 9ª posição com ‘The Heretic Anthem’.
9º- Slipknot- ‘The Heretic Anthem’

‘The Heretic Anthem’ provou ser exatamente isso, um hino para os Maggots em todo o mundo. O inesquecível refrão ‘If you’re 555 then I’m 666’ ecoa alto em cada performance ao vivo do Slipknot, junto com milhares de chifres  lançados no ar.
Fora o disco de platina que do álbum ‘Iowa’ em 2001, ‘The Heretic Anthem’ tem resistido ao teste do tempo para o Slipknot. Mesmo com novos singles e álbuns chegando aos fãs, nenhuma música destaca-se tanto quanto essa. Como um grande dedo do meio para qualquer um que fique em seu caminho, incluindo a indústria musical, o Slipknot provou que eles são uma força a ser reconhecida.
O primeiro lugar ficou com a música ‘Lateralus’ da banda Tool.
Fonte: Loudwire

Loudwire elege as 10 melhores músicas do Slipknot

December 19, 2012 in Banda

O site da Loudwire escolheu as melhores músicas do Slipknot, banda que está concorrendo em diversas categorias no Loudwire Music Awards (clique aqui para votar), e fez um Top 10. Confira a lista:

10º- ‘Vermilion Pt. 2’ 

Álbum: ‘Vol. 3 (The Subliminal Verses)’ – 2004

Slipknot é conhecido por um metal mais pesado que granito. Mas uma música frágil como ‘Vermilion Pt. 2’ demonstra uma arte e não ao contrario, diz, Radiohead. O domínio da banda com a dinâmica é evidente na original e na sequência. Às vezes, você precisa mostrar seu lado mais leve para, depois, demonstrar o quão agressivo você é. ‘Part. 2’ é, também, um testamento ao sólido compositor e falecido baixista Paul Gray.

 

9º- ‘Spit It Out’

Álbum: ‘Slipknot’ -1999

Se você já viu Slipknot ao vivo, você sabe que essa é a música onde Corey Taylor ordena à todo o público para sentar no chão e pular, sob seu comando. Isso é poder. Isso são duas décadas de conexão com os Maggots, que foram marcadas com sangue, adrenalina, testosterona e qualquer outro fluído corporal, substância ou hormônio que sua mente doentia possa imaginar.

 

8º- ‘The Heretic Anthem’

Álbum: ‘Iowa’ – 2001

Somente as garras e patas ferozes do Slipknot poderiam fazer uma letra como “If you’re 555, I’m 666” soar mais nojenta que o vômito verde de Regan em ‘O Exorcista’. É verdade que ‘Iowa’ é o matadouro dos álbuns do Slipknot: cada música escorre sangue, vísceras, veneno, bile e vômito. É uma ótima coisa quando você está falando em metal, e ‘Heretic Anthem’ captura todos esses elementos de uma só vez.

 

7º ‘(sic)’

Álbum: ‘Slipknot’ – 1999

Vá assistir ‘Alien’. Você sabe aquela cena quando o alienígena explode do peito do Kane? O horror gráfico e a energia visceral daquela cena é engarrafada e capturada por ‘Sic’, graças à percussão esmagadora, riffs metralhadores e o grito de guerra de Taylor. Essa é uma música a partir e para as linhas de frente de uma zona de guerra. “Here comes the pain! (Aí vem a dor!)”.

 

 

6º- ‘Left Behind’

Álbum: ‘Iowa’ – 2001

‘Left Behind’ é o primeiro single do álbum ‘Iowa’ e uma das músicas de destaque do Slipknot, como mostra a atenção da banda e o dom para a melodia, sem perder sua substancial, ponta de metal. É um daqueles lindos momentos onde você pode tocar seus dedos para a música, enquanto quer começar a induzir um massacrante mosh. Não é algo fácil de se fazer, mas para o Slipknot, parece muito simples.

 

5º- ‘Psychosocial’

Álbum: ‘All Hope Is Gone’ – 2008

‘Psychosocial’ é uma faixa robusta e agitada, com um refrão contagiante. Não é como, normalmente, nós descreveríamos uma exaustante música de heavy metal, mas, estamos falando de Slipknot. Da mesma forma, riffs e percussão, alimentam ‘Psychosocial’ com o pulsar das larvas.

 

4º- ‘People = Shit’

Álbum: ‘Iowa’ – 2001

O Slipknot não estava mascarando suas intenções com ‘People = Shit’. Somente nove bandidos de Iowa poderiam capturar tão efetivamente as escórias da humanidade com uma música. É uma das melhores músicas do Slipknot graças à forma como ajuda a alcançar catarses e uma compreensão profunda de que seu companheiro pode cair.

 

3º- ‘Wait and Bleed’

Álbum: ‘Slipknot’ – 1999

‘Wait and Bleed’ é uma música de destaque, não só por sua construção acotovelada, mas pelo fato que permite ao vocalista Corey Taylor tomar o centro do palco. Seus gritos guturais podem fazer os cabelos na sua nuca ficarem em pé. E quanto ao seu cantarolar melódico? Isso é o que o distingue. A banda nunca, jamais soa calma. Os elementos melódicos são fornecidos apenas como um contraste para realçar as partes extremas.

 

2º- ‘Duality’

Álbum: Vol. 3 (The Subliminal Verses) – 2004

A natureza extremamente brutal do Slipknot nunca é questionável, mas, com ‘Duality’, o primeiro single do terceiro álbum da banda, os carrascos mascarados foram capazes de aperfeiçoar sua fórmula de um turbilhão com melodia. Pressionar seus dedos dentro dos seus olhos nunca soou como um comportamento tão atraente.

 

1º- ‘Surfacing’

Álbum: ‘Slipknot’ – 1999

‘Surfacing’ é o seu novo hino nacional. Com o grito de abertura frenético, a caótica percussão e a ferocidade de Corey Taylor, essa é, definitivamente, a música do Slipknot porque nos dá um olhar compreensivo sobre tudo o que o Slipknot é: feroz, incontrolável, artisticamente elevado. Nunca houve nada como o Slipknot antes e, mesmo que hajam imitações, nunca haverá realmente nada que concorra ou se iguale à eles.

 

E você? Qual é a sua música preferida do Slipknot?

Qual música você acha que está faltando nessa lista? Qual música deveria estar no topo da lista? Deixe seu ‘top 10’ nos comentários abaixo.

 

Fonte: Loudwire


‘The Heretic Anthem’ ganha o 9º lugar na lista de Melhores Músicas de Metal do Século 21

October 23, 2012 in Banda, Iowa, Slipknot 2012

A Loudwire realizou um Top 50 com as melhores músicas de metal do século 21. “The Heretic Anthem” – o hino dos maggots – ocupou o 9º lugar. Leia abaixo:

A música “The Heretic Anthem” provou ser justamente isso, um hino para maggots em todo o mundo. O refrão inesquecível de “If you’re 555 then I’m 666” ecoa alto em todos os shows ao vivo do Slipknot.

Lançado em 2001 através do disco (de platina) ‘Iowa’, ‘The Heretic Anthem”, tem resistido ao teste de tempo para o Slipknot. Embora os novos singles e álbuns de sucesso acertam em cheio os seus fãs, nenhuma canção se destaca tanto quanto esta. Como um grande dedo do meio para todos que estiverem em seu caminho, incluindo a indústria da música, o Slipknot provou com essa música que eles são uma força a ser reconhecida.

 

Fonte: Loudwire