Ouça “A Different World”, nova música do Korn com participação de Corey Taylor

September 29, 2016 in Corey Taylor

“The Serenity Of Suffering”, novo álbum do Korn, tem a data de lançamento prevista para o dia 21 de outubro e já está em pré venda no iTunes, Google Play e Amazon.

“Sleeping Dogs”: assista a colaboração de Corey Taylor com Zakk Wylde

August 22, 2016 in Corey Taylor

zakkwyldesleepingdogsvidpremierecorey

Zakk Wylde (Black Label Society e Ozzy Osbourne) acaba de lançar um novo vídeo de “Sleeping Dogs”, que conta com a participação de Corey Taylor. A música faz parte do álbum “Book of Shadows II”, que foi lançado em abril pela eOne Music:

Perguntado porque ele não aparece na primeira versão da música que foi lançada nas rádio, Corey respondeu à WRIF:

“Foi estranho. Porque eles queriam usar como single, mas minha gravadora estava preocupada porque eles não queriam que isso entrasse em conflito com uma das minhas músicas. A política é tão idiota cara. Eu falei ‘Vamos lá! É uma música foda!’. Se não fosse, eu não teria feito, especialmente sendo amigo de Zakk. Então eles tiveram que dar uma segurada. Eles fizeram uma versão sem mim, que foi a que o Zakk me enviou e ele queria que eu cantasse. Mas de qualquer forma, ficou ótimo, é uma música incrível. E representa tudo no Zakk que você ama, tem aquela vibe meio Allman Brothers e ele está tocando como um louco. E ele é um ótimo cantor também então foi muito bom participar disso.”

Foto: Iheart.com

Foto: Iheart.com

Corey também falou sobre a colaboração com Zaak em outra entrevista, com a WZOR:

“É algo que a gente vem planejando por algum tempo. Nós somos amigos faz tempo, desde 2001 e com o passar dos anos nós passamos por coisas bem sérias, mas superamos e tudo ficou cada vez melhor. Então quando ele me ligou e disse que queria que eu participasse de uma música eu aceitei, porque sempre quis fazer com ele. Eu amo o jeito que ele toca, amo o fato de ele ter um pé naquele metal e o outro naquele rock sulista. Esse é o tipo de coisa que eu cresci ouvindo e foi perfeito. A música era muito boa e algo que eu nunca havia feito antes e é por isso que eu gosto de fazer esse tipo de coisa que é diferente do que as pessoas esperam de mim. É a razão porque eu faco essas participações especiais, porque é diferente. Além disso, é o Zakk, então foi divertido.”

“Book of Shadows II”, o primeiro trabalho solo de Zakk em 20 anos, é a continuação do clássico “Book of Shadows” de 1996, lançado entre seu trabalho com o Ozzy Osbourne e que se tornou um favorito dos fãs.

Fonte: Blabbermouth

Korn: Novo álbum terá participação de Corey Taylor

July 13, 2016 in Corey Taylor

508191808_640

Em entrevista à Metal Hamer, o guitarrista do Korn, James Munky, confirmou a participação de Corey Taylor no novo álbum da banda.

“Nós temos Corey cantando em uma faixa e vai ser a favorita dos fãs porque ele realmente arrebenta. Em uma escala de peso de 1 a 10, sendo 10 nosso álbum “Korn” de 1994, essa música é definitivamente um 9.”

Atualmente, o Korn está em turnê com Rob Zombie e o novo álbum ainda não tem data de lançamento definida.

Fonte: Loudwire

Corey Taylor e Ozzy Osbourne anunciam “Ozzfest meets Knotfest”

May 12, 2016 in Banda

OZZFEST-KNOTFEST
Em um evento hoje na Califórnia, Corey Taylor e Ozzy Osbourne fizeram uma coletiva de imprensa acompanhados por Sharon Osbourne, Zakk Wylde, Jamey Jasta, Scott Ian e outros para anunciar a junção de dois festivais: Ozzfest meets Knotfest.

O evento acontece em San Bernardino na Califórnia nos dias 24 e 25 de setembro e conta com três palcos. Confira o lineup anunciado até o momento:

24/09
Headliner: Black Sabbath
Megadeth
Disturbed
Opeth
Children Of Bodom
Municipal Waste
Goat Whore
Deadcross
Kataklysm
Nails
Still Rebel
The Shrine
Black Label Society
Rival Sons
Hatebreed
DevilDriver
Huntress

25/09
Headliner: Slipknot
Slayer
Amon Amarth
Trivium
Anthrax
Sabaton
Butcher Babies
Overkill
Combichrist
Whitechapel
Suicide Silence
Emmure
Man With a Mission
Death Angel
Oni
Sin
Os ingressos começam a ser vendidos na sexta feira: http://www.ozzfestmeetsknotfest.com/

 

“Eu te Odeio!” – Pré venda aberta

May 6, 2016 in Corey Taylor

livro

“Eu te Odeio!”, terceiro livro de Corey Taylor, já está com a pré venda aberta nas seguintes lojas:

Saraiva
Amazon
Travessa

(Confira o Release aqui.)

O lançamento está previsto para o dia 20/05 pela Editora Planeta.

Lançamento: terceiro livro de Corey Taylor ganha versão em Português

March 23, 2016 in Corey Taylor, Eu Te Odeio, Livros, You're Making Me Hate You

Eu te odeio

Com lançamento marcado para abril, a versão em Português do terceiro livro de Corey Taylor, “You’re Making Me Hate You”, chega ao Brasil pela Editora Planeta.

“Eu te Odeio!” é a visão inflexível da mente de Corey Taylor e que não poupa ninguém de seu olhar fervente. Não se engane: ele não é alguém que cumprimenta as pessoas na fila do café. Este não é o tipo de cara que beija bebês e tira fotos com sua mãe, deixando uma mensagem de voz para um parente distante. Este é Corey Motherfucking Taylor! Este é o cara que veste uma máscara diabólica e fica a frente de uma multidão, enquanto sua banda faz o rock mais pesado que se conhece. Sem dúvida, esse é som das portas do inferno.

A partir de acontecimentos cotidianos da vida moderna e pós-moderna como Realitys shows de TV, músicas ruins, motoristas terríveis, campanhas de marketing bizarras em aeroportos, reuniões de família hipócritas, escolhas de moda ruins, religiões corruptas, as crianças monstruosas de outras pessoas e o péssimo comportamento de alguns “adultos” o autor demonstra toda a sua indignação, reprovação e falta de fé na raça humana. Eu te Odeio alfineta, de maneira hilária e ácida, os piores aspectos do comportamento de uma maneira que só alguém que produz o som mais infernal de todos os tempos e arrasta multidões com isso poderia fazê-lo.

Release: Editora Planeta
Twitter
Facebook

Informações sobre vendas em breve.

Entrevista: Corey Taylor para a Rocks Verige (Suécia)

February 4, 2016 in Banda, Corey Taylor, Slipknot 2016

Quando você compõe as músicas, eu estive pensando nisso, você sabe que é para o Slipknot ou para o Stone Sour?

Sim, com certeza. Às vezes eu estou compondo uma coisa e muita gente acha que é para uma das bandas e na verdade é para a outra. Pra mim é sempre muito claro para o que estou escrevendo e tem coisas que eu faço que não combina com nenhuma das bandas. Mas depois de tanto tempo conhecendo todo mundo na banda e sabendo como eles podem contribuir ou melhorar algo, você acaba tendo um senso musical e estrutural de como pode melhorar com cada banda. Então para mim ainda é uma aventura compor, porque você sabe que o que faz vai ficar diferente no final, mas a duas bandas são muito versáteis e você nunca sabe o que esperar sobre isso, mas eu sempre tenho uma boa noção de onde colocar cada coisa.

E você está guardando essas músicas que não se encaixam em nenhuma das bandas?

Eu não sei, as pessoas me perguntam sobre trabalhos solo e isso é um bom problema pra se ter, mas ao mesmo tempo eu estou em duas bandas fantásticas então porque eu iria querer mais? A não ser que eu queira ser super ganancioso, porque eu tentaria me dividir e faze outra coisa? Eu sou muito satisfeito com a música que posso fazer com ambas as bandas, então pode rolar um álbum solo? Sim, mas apenas daqui alguns anos.

 

E você também não tem muito tempo, mas você faz muitas participações especiais com muitos artistas diferentes.

Sim, então eu consigo fazer isso de qualquer forma, tenho duas participações para fazer, que não vou citar nomes, mas é ainda mais diferente do que eu já fiz antes e musicalmente e artisticamente é isso que me atrai, fazer coisas que normalmente você não ouviria com nenhuma das duas bandas, como Apocalyptica ou Tech Nine, são coisas tão diferentes e que ainda assim me atraem. É isso que eu procuro, porque eu recuso muita coisa e só faço aquilo que me interessa muito.

Tem mais alguém na sua lista de pessoas que você gostaria de trabalhar?

Ah sim, tem muita gente. Desde Trent Reznor (Nine Inch Nails), eu adoraria trabalhar com ele, até Eminem, eu estava pensando isso outro dia e adoraria fazer algo com ele e trocar umas ideias porque eu adoro o jeito que ele compõe, que ele flui, sua atitude e a emoção que ele tem. Isso me atrai muito e gostaria de trabalhar com ele, pode acontecer? Provavelmente não, mas é um sonho, eu nunca pensei que trabalharia com Dave (Grohl – Foo Fighters) então nunca se sabe.

Acho que os Europeus estão sonhando com algo também, vocês acabaram de tocar no México com o Knotfest que é um enorme sucesso, vocês pensam em trazer o festival para a Europa?

Sim, é algo que já pensamos, mas não é tão simples fazer isso acontecer, principalmente para nós, com essa banda nós prezamos muito o respeito que temos com todos os festivais que tem aqui e nos deram a chance construir uma carreira trabalhando com eles, então a última coisa que a gente quer é vir aqui e pisar em alguém. Então se a gente achar uma forma de fazer isso dar certo, com certeza faremos, mas ao mesmo tempo você não quer ser o cara que chega e estraga a festa porque acaba sendo menos sobre os fãs e mais sobre você e o Knotfest não é sobre isso, é sobre trazer uma experiência para os fãs. Então nós adoraríamos fazer isso, mas tem que ser de uma forma que respeite todas as pessoas que já trabalharam com a gente.

E quando nós o veremos de novo por aqui? O que vocês têm planejado?

É uma boa pergunta, eu não faço ideia pra falar a verdade, vamos ficar por aqui por um mês e depois tirar uns meses de férias e tocar pelos Estados Unidos, nós podemos voltar pra cá, não tenho muita certeza quando, mas vamos passar o resto do ano planejando o Knotfest nos lugares em que conseguimos nos firmar, Estados Unidos, Japão, México provavelmente de novo e tentar fazer algo com o Knotfest em outros lugares, outros países foram mencionados e de novo, estamos tentando fazer isso com muito respeito então se isso acontecer a gente pode contar pra todos.

Informações sobre o show do Slipknot na Suécia: http://goo.gl/6NyE5R

Corey Taylor: “Você não pode basear sua carreira em prêmios”

February 3, 2016 in Banda, Corey Taylor, Slipknot 2016, Slipknot Live

Em entrevista à Spark TV na República Checa, Corey Taylor falou um pouco sobre sua máscara e a indicação da banda ao Grammy desse ano.
Confira os destaques:

Eu li em alguns artigos que com as máscaras vocês mudam e viram animais, é assim mesmo?

Não muito, não pra mim pelo menos. Eu não posso falar por todos na banda, mas para mim a máscara sempre representou aquela pessoa internamente, que tem não tem um rosto, mas tem uma voz, então a música é a voz e a máscara é o rosto porque todos nós somos pessoas diferentes por dentro e esse é o cara que eu preciso deixar que enlouqueça para que possa me sentir um ser humano de novo.

Mas com a máscara, você sente algumas mudanças?

Ah, com certeza. Ela deixa você se libertar, eu não acho que é porque você está se escondendo atrás dela, acho que é porque você deixa tudo sair, você deixa aquela pessoa sair e sentir, e no minuto que você coloca a máscara, que inclusive dói, é pesada e não te deixa respirar, no momento que você sobe no palco você esquece que está usando, é bem louco.

E você tem uma segunda máscara.

Sim, tem outro pedaço que vai por cima.

E qual a diferença entre esses personagens?

Essa parte representa o fato de que há máscaras atrás das máscaras, sabe? Que há rostos atrás dos rostos, então ela mostra as dimensões de tentar ser uma boa pessoa, um humano que faz a coisa certa na vida e as vezes precisa mostrar essas camadas para ter um bom equilíbrio.

Em algumas matérias você disse que o último álbum talvez não seja o melhor ou o mais pesado, mas precisamos dizer que vocês foram nominados ao Grammy.

Sim, outro Grammy. Todo mundo me enche o saco porque eu sou meio indiferente quanto à isso, pra mim é isso que importa [os shows], é só isso que importa para mim. É legal ganhar um? Claro, mas eu não vou me irritar se perder, eu não vou ficar feliz se a gente ganhar e também não vou ficar triste se perdermos. Eu baseio meu sucesso no fato de que há quase 11 mil pessoas lá fora esperando a gente tocar. Para mim, isso é sucesso, um Grammy é só outra estátua para ganhar poeira na minha prateleira.

Então você não gosta de nenhum outro prêmio?

Prêmios são legais, mas você não pode basear sua felicidade ou sua carreira no fato de ter ou não prêmios, eu não ligo e não posso ligar e as pessoas que se importam são normalmente as egocêntricas, sabe? Se decidam, vocês fazem isso por prêmios ou por você e pelos fãs?

E essa é a filosofia do Slipknot?

Com certeza. Nós sempre fomos o tipo de banda que se a gente não tiver feliz com algo, ninguém ouve. Tem que ser algo bom pra nós e aí sim nós lançamos para os fãs, sabe? E sempre foi assim, para mim é melhor ter um disco de ouro do que um Grammy, porque isso significa que as pessoas estão ouvindo sua música e gostando da sua música.

Slipknot ao vivo em Praga (República Checa) – 27/01

Setlist/Vídeos:

– Be Prepared For Hell
1. The Negative One 1 | 2 | 3 |
2. Disasterpiece
3. Eyeless
4. Skeptic 1 | 2 | 3 |
5. I am Hated
6. Killpop 1 | 2 | 3 |
7. Dead Memories 1 |
8. Everything Ends 1 |
9. Psychosocial 1 |
10. Wait and Bleed 1 |
11. Duality 1 | 2 | 3 | 4 | 5
12. The Devil in I 1 | 2 | 3
13. Metabolic 1 |
14. (SIC) 1

Encore:
15. Surfacing 1 | 2 | 3 | 4
16. Left Behind 1
17. Spit it Out 1 | 2 |