Clown : “As pessoas que você julga serem as mais fortes são muitas vezes as mais feridas”

August 1, 2017 in Shawn Crahan by Thais Knox

Foto: Gediminas Bartuska

Foto: Gediminas Bartuska

 

Clown Crahn falou sobre a importância de se quebrar o estigma que envolve a saúde mental, após Chester Bennington e Chris Cornell terem tirado as próprias vidas.

A trágica perda dos vocalistas do Linkin Park e Soundgarden chocou o mundo em 2017. Agora Clown Crahan tem incentivado outras pessoas a serem abertas e estarem aí uma para os outros quando se trata de depressão.

“Meus amigos estão morrendo, eu não aguento mais isso”, disse Clown a NME. “Pessoalmente, eu só quero dizer que estou tão triste com a dor, a solidão e o isolamento. Não tenho certeza do que aconteceu, não estou na mente das pessoas, mas é assustador saber que alguém tem algo mais em sua mente que você não sabe. Eu só quero dizer o quanto eu lamento e quanto amor eu tenho pelas famílias sobre o que tem acontecido recentemente.”

“Para o público em geral, lembrem-se das pessoas ao seu redor. Você pode não saber o que estão pensando, então é sempre bom verificar, e ver como estão as outras pessoas.”

Crahan acrescentou que a ajuda e os cuidados oferecidos para lidar com os problemas de saúde mental são realmente muito melhores do que a maioria das pessoas pode esperar – e que não há necessidade de ‘um estigma contra médicos, terapeutas e hospitais’.

“O que as pessoas precisam saber é que há pessoas maravilhosas que têm empatia e trabalham com a condição humana”, continuou ele. “Eles entendem o que significa ser ‘doente’. Não é culpa do ser humano ter desequilíbrios químicos. Estamos com medo. As pessoas que você julga serem as mais fortes são muitas vezes as mais feridas. Isso pode ser difícil de se lidar.

“A medida que o mundo cresce e a tecnologia cresce, torna-se cada vez mais difícil se comunicar e para as crianças se socializarem. Precisamos levar a sério a recuperação da saúde comportamental.”

Falado por experiência própria, Crahan tem falado abertamente sobre a sua luta com a depressão após a morte de seus pais, e do baixista do Slipknot, Paul Gray. Ao tomar corajoso passo para falar e procurar ajuda, Crahan recebeu a ajuda essencial que ‘salvou sua vida’.

“Não tenho medo de admitir isso”, disse ele. “Minha mãe morreu, e então o Paul morreu pouco tempo depois.  Eu fui ao meu terapeuta e ela apenas disse ‘você está pronto’, então eu me tornei paciente ambulatorial e eu estava com tanto medo daquela ‘paciente internado’, “Um Estranho no ninho”. Você sabe o que significa? Peguei os conselhos da terapeuta e da minha esposa e fiz um programa ambulatorial e mudou a minha vida – salvou a vida do Clown. Eu estava tão submerso, me afundando em um buraco que criei. Eles me disseram que eu não tive tempo para o luto do meu pai,  que não tive tempo para o luto da minha mãe, que não tive tempo para o luto do Paul.”

“Eu nem sabia que isso existia, não sabia que precisava de um tempo. O que o mundo precisa saber é que é ok precisar de ajuda.”

Concluindo, Clown acrescentou que os problemas de saúde metal devem ser considerados e tratados como qualquer doença comum.

“Todos nós temos defeitos”, disse ele a NME. “Algumas pessoas tem astigmatismo em seus olhos, alumas pessoas tem ulceras, é a mesma coisa. Você poderia ter ansiedade, depressão, TOC, TDAH, paranoia, qualquer coisa. É saúde mental – não é algo difícil de se assimilar. não tenha medo. Esses problemas físicos e mentais podem ser ajudados por pessoas maravilhosas que dedicam suas vidas a ajudar os outros.”

“As pessoas precisam saber que é bom procurar ajuda. Às vezes , na depressão, é dificil sentir que não está sozinho, mas você não está”

 

Fonte : NME