Corey Taylor fala sobre Joey Jordison e James Root

September 25, 2014 in Banda, Corey Taylor, James Root, Joey Jordison, Novo Álbum 2014, Slipknot 2014, Stone Sour, The Negative One by Hannya

A “coisa do Jim” a que se refere Corey é a demissão do guitarrista Jim Root do Stone Sour, em maio, algo que deve ser particularmente difícil, uma vez que ele ainda toca no Slipknot. Certamente, o próprio Jim não estava satisfeito, postando nas redes sociais: “Eu não estou mais na banda. Não é a minha decisão. Não estou contente com isso.”

“Isso levou a um confronto, para colocá-lo bem”, admite Corey. “Mas, literalmente, tudo veio à tona, em seguida, tudo se desfez porque sabíamos que tínhamos este projeto para trabalhar. Eu não queria que meu foco fosse dividido e nem o foco dele, então nos sentamos e conversamos por 20, 30 minutos – e nós estávamos no estúdio – antes mesmo de começar. Nós escancaramos. Ele se sentiu muito mal e eu me senti horrível por ele estar passando por isso. É apenas uma daquelas coisas em que você tem que tomar decisões na vida e você não vai gostar delas, mas no final das contas, você tem que fazer o que é certo para o todo maior”.

Para nós que analisamos a situação “de fora”, nos parece como se fosse diferenças musicais com Jim e mais uma coisa de personalidade com Joey. É justo esse comentário? 

“Não, realmente não”, responde Corey. “Jim é uma das pessoas mais incrivelmente talentosas que eu conheço. Foi uma diferença, não de direção, mas apenas no objetivo das coisas, sabe? Não há muito que eu possa dizer sobre isso agora porque estamos voltando [com o Slipknot] e a última coisa que eu quero que aconteça é que ele leia isso e entenda errado. Qualquer coisa que eu dizer aqui que eu vou dizer na cara dele também, por essa razão é difícil fazer isso, mais do que qualquer fã entenda. Há momentos em que as coisas começam a esquentar e nós temos que sentar e conversar. Basicamente, quando o seu amigo não está feliz, você tem que encontrar uma maneira para que ele seja feliz, não importa como, e se for preciso tomar uma decisão difícil para que ele possa seguir em frente, então é apenas o que você tem que fazer. É chato e leva muito da alegria disso tudo embora, e é sobre isso que toda esta mer** deve ser! ”

Você tem conversado com o Joey?

“Eu não tenho falado com o Joey faz muito tempo, para ser honesto”, ele admite. “É como somos diferentes. Não é porque eu não o amo e não sinto falta dele. É doloroso; falamos sobre ele o tempo todo, mas, ao mesmo tempo, nós sentimos falta dele ou sentimos falta do antigo Joey? Isso é o que realmente surge. É realmente uma vergonha”. 

Quando pressionado ainda mais sobre a “coisa do Jim”, e quem exatamente o demitiu, Corey, compreensivelmente, prefere ficar de boca fechada. “Isso é o máximo que eu falarei sobre isso, eu já lhe disse mais do que a qualquer outra pessoa”, ele confirma. E, vamos encarar isso, eles ainda têm que trabalhar juntos, e a última coisa que a [Metal] Hammer quer fazer é causar problemas adicionais nesse departamento particular. Em vez disso, passamos para um assunto igualmente difícil: o julgamento e absolvição posterior do médico de Paul Gray, Daniel Baldi, sob a acusação de negligência, e as acusações da esposa de Paul, Brenna, afirmando que o Slipknot não fez o suficiente para ajudar seu amigo. 

“Eu gostaria que ele tivesse um resultado diferente”, diz Corey. “Eu não estava feliz com nada disso, mas eles distorceram as acusações das coisas. Eles foram capazes de transformar o julgamento em algo sobre o Paul em vez de algo sobre o Baldi, e isso é lamentável, porque ele tinha tantas acusações de negligência contra ele. Há coisas com a música que podemos fazer para aliviar, mas e as famílias que não podem fazer isso? E as [outras] famílias que perderam alguém? Nós não fomos capazes de colocar um ponto final, assim como as outras famílias”.

 

Fonte: Metal Hammer