Entrevista: Joey Jordison para a HardrockHave.net

February 15, 2012 in Joey Jordison by Natália

Cameron Edney, do HardrockHave.net, entrevistou Joey recentemente e ele falou sobre a volta do Slipknot a Austrália no fim do mês para o Soundwave Festival, a edição de aniversário de 10 anos do Iowa e mais. Confira a entrevista completa:

Joey, muito obrigado por tirar um tempo e falar com a gente hoje, é fantástico ver o Slipknot voltando para a Austrália em alguns dias, vocês devem estar muito animados para voltar pra cá!

Estamos mesmo! Cerca de seis meses atrás nós fizemos o headline do Rock in Rio e foi incrível. Um pouco antes disso nós tivemos a confirmação do Soundwave, e nós realmente queremos isso. Muitas turnês aparecem pra gente e essa é uma que a banda realmente queria fazer. Queríamos voltar para a Austrália antes do próximo album e eu acho que vai ser uma boa forma de fechar o ciclo. Mal podemos esperar pra chegar lá, o tempo está passando muito rápido e todos estão bem animados.

Nós também estamos Joey, esses shows serão bem especiais. Ano passado vocês lançaram a edição de aniversário de 10 anos do Iowa. Quando você lembra do processo de gravação, o que vem a sua mente?

É estranho porque eu não escuto minha música tanto assim. Você fica em turnê durante um ano e meio em cada álbum e acaba ficando de saco cheio, mas o bom é que quando você fica um tempo longe disso, a mesma coisa aconteceu quando lançamos a edição de aniversário do nosso primeiro álbum, eu escuto e penso “Meu deus!”. Eu me lembro de como tudo aconteceu, o resultado, a energia. Lembrando desssa época eu penso “meu deus, como nós criamos isso?”. Eu fico impressionado e o mesmo acontece com o Iowa. Quando nós damos entrevistas e contamos como o álbum foi feito, você se lembra de tudo mas pra realmente sentir isso, você precisa ouvir o álbum e cara… era uma época muito obscura quando fizemos esse álbum. Não existe nenhum tipo de atuação em nenhum álbum do Slipknot. Cada vez que eu escuto um dos nossos álbum, não consigo ouvir apenas uma música, se eu ouvir só uma eu tenho que ouvir o álbum inteiro. Cada vez que eu escuto um álbum eu fico muito orgulhoso e impressionado com o que nós fizemos.

E você deveria ficar! Nós sabemos que a bateria é gravada primeiro, quando você entra no estúdio para começar a gravação, normalmente você já tem a base da música pronta feita na pré produção, então na hora de gravar você já sabe o que esperar ou é mais espontâneo?

Na hora que eu chego no estúdio eu já tenho a estrutura principal do que vou fazer na música, e toco isso três ou quatro vezes. Normalmente a primeira e a segunda gravação ficam melhores, então faço pela terceira ou quarta vez e vou alternando e mudando algumas coisas. Eu nem penso sobre a música quando faço isso, eu apenas me divirto e depois vejo se ficou melhor e encorporo na música.

Eu falei com outros bateristas e eles disseram que tocam de 4 a 5 horas por dia, outros apenas fazem um aquecimento antes de entrar no palco. Por quanto tempo você ensaia?

Agora que estou escrevendo e estou no estúdio, eu diria que entre seis ou sete horas. No fim do dia seus braços e pernas parecem gelatina. É por esse tempo que eu venho praticando ultimamente, mas quando estou em turnê eu não ensaio demais porque gosto da ansiedade do show. Parece que quando você ensaia uma música muitas vezes ela fica menos interessante, não é como toca-la pela primeira vez. Durante a turnê eu apenas checo minha circulação no sangue e alongo os braços e as pernas e não ensaio tanto, mas em casa eu toco o tempo todo.

Certamente você inspirou muitos bateristas novos, mas quem te surpreendeu dizendo que era fã do seu trabalho?

Essa é facil. Foram muitas pessoas mas o que me vem primeiro a mente e o que mais me surpreendeu foi o Stewart Copland (The Police). Eu não acreditei na primeira vez que ele me viu tocando em 2000, no show de San Bernardino. Ele estava lá porque tinha feito algumas coisas com o Sepultura e me viu tocando. E depois saiu na Modern Drummer que ele falou sobre mim, e nos tornamos amigos. O álbum “Zenyattà Mondatta” vivia no quarto dos meus pais e a bateria desse álbum e o jeito que ele toca é incrível. Eu cresci tocando músicas desse álbum e do Ghost In The Machine. É estranho ter ele como fã, e ninguém imagina que ele seja um fã de metal, é muito legal.

Joey, obrigado por tirar um tempo para falar com a gente, eu mal posso esperar para ve-los de novo em duas semanas, você tem algum recado para os nossos leitores?

Não, a gente mal pode esperar para voltar para a Austrália e esses shows vão ser legendários. Estamos ansiosos para chegar aí, e vemos vocês em alguns dias!

Fonte: HardrockHaven.net